Bolsonaro não convence ninguém que não seja bolsonarista, diz cientista político.

Para Rodrigo Prando, discurso do presidente na Assembleia da ONU foi mais do mesmo: 'não convence aqueles que não são da militância raiz'

 

O cientista político Rodrigo Prando afirmou nesta terça-feira 21, em entrevista ao Direto da Redação – boletim de notícias de CartaCapital no Youtube – , que o discurso do presidente Jair Bolsonaro, na abertura da 76ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, não convenceu ninguém além do público fiel do ex-capitão. Na conversa, Prando ressaltou as imprecisões nas declarações e apontou que o presidente praticamente se incriminou ao defender o chamado tratamento precoce em um evento de repercussão mundial. “O discurso do Bolsonaro foi mais do mesmo. Ele continua dentro desse universo de conjugação de fake news, pós-verdade e negacionismo. No fundo, o presidente sempre discursa para os que sempre concordam com ele”, disse o professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie. “Ele não convence os atores internacionais e nem aqueles que não são da militância raiz”, acrescentou. Na entrevista, Prando ainda destacou o favoritismo de Lula nas eleições presidenciais de 2022 e a possibilidade de um nome da terceira via ir ao segundo turno no lugar de Bolsonaro