Home / Últimas Notícias / Pressionada, bancada federal capixaba pede suspensão do pedágio da 101

Pressionada, bancada federal capixaba pede suspensão do pedágio da 101

Resultado de imagem para bancada federal pede suspensão do pedágio da 101
Pressionada por mais uma tragédia viária na BR-101, a bancada federal capixaba requereu a imediata suspensão da cobrança de pedágio ao Ministério Público Federal (MPF), Tribunal de Contas da União (TCU) e Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A medida foi tomada no âmbito da Comissão Externa de Fiscalização da BR-101 da Câmara dos Deputados.
O documento requer também a garantia da duplicação de toda a rodovia, a prestação de contas dos R$ 880 milhões que a concessionária ECO 101 afirma ter investido na rodovia, a devolução integral dos R$ 550 milhões arrecadados com o pedágio; o bloqueios de bens da ECO 101 e de seus representantes legais. Caso as solicitações acima não sejam atendidas, a comissão requer rescisão contratual, seguida de nova licitação.
Assinam o documento os senadores Rose de Freitas (PMDB), Ricardo Ferraço (PMDB) e Magno Malta (PR) e os deputados federais Marcus Vicente (PP), coordenador da comissão, e Helder Salomão (PT), Jorge Silva (PHS), Lelo Coimbra (PMDB), Norma Ayub (DEM), Evair de Melo (PV), Paulo Foletto (PSB), Sergio Vidigal (PDT), Givaldo Vieira (PT) e Carlos Manato (SD).
A ação da bancada pode ser interpretada como uma resposta às críticas à atuação dos parlamentares na condução do impasse da duplicação do trecho capixaba da BR-101. A população não acolheu as manifestações de indignação da bancada após o acidente que vitimou 11 pessoas em Mimoso do Sul no último domingo (10).
Desde março, quando anunciou publicamente um pedido de repactuação do contrato de concessão, a ECO 101 apresenta as mesmas explicações para o atraso nas obras e todas foram aceitas passivamente pela bancada. Afora a lentidão do processo de licenciamento ambiental e problemas com desapropriações e desocupações das faixas de domínio, a empresa culpa a combinação de recessão nacional e local, com destaque para a estiagem de 2016, o fim do Fundap e a paralisação da Samarco.
Fonte/seculodiario

Veja Também

Governo estuda acabar com horário de verão, que não economiza energia

                O governo estuda acabar com o horário ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *