Home / Notícias Geral / Temer não corrige tabela e faz cidadão pagar mais imposto

Temer não corrige tabela e faz cidadão pagar mais imposto

imposto

O leão do imposto prejudica quem ganha menos e faz com que trabalhadores percam renda. A diferença vai para o governo

 

 

São Paulo – Em sua política de “retomada” econômica, o governo Temer garantiu mais um meio de aumentar arrecadação, ao deixar de corrigir a tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física. De acordo com estudo divulgado pelo Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco Nacional), a atual gestão interrompeu uma sequência de 11 anos de correção, ainda que na maior parte das vezes abaixo da inflação. Nos dois últimos anos, com inflação de 9,4%, nenhum reajuste, aumentando a diferença.

Segundo o sindicato, de 1996 a 2017 o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA, taxa oficial de inflação no país) somou 294,93%, enquanto a tabela do Imposto de Renda foi corrigida em 109,63%. Com isso, há um resíduo de 88,4%, que é o quanto o contribuinte paga a mais.

“A não correção da tabela do IR faz com que o contribuinte pague mais imposto de renda do que pagava no ano anterior”, diz o Sindifisco. “Ao não corrigir integralmente a tabela, o governo se apropria da diferença entre o índice de correção e o da inflação, reduzindo a renda disponível de todos os contribuintes.”

Essa defasagem varia conforme a alíquota: 86,8% para a faixa de isenção e para a de 7,5%, 88,57% na faixa de 15%, 89,46% na de 22,5% e 90,37% na última, de 27,5%. A atual faixa de isenção é de R$ 1.903,98. Se o resíduo médio calculado pelo sindicato fosse aplicado, essa faixa subiria para R$ 3.556,56.

“A correção da tabela do IR pelo índice integral da inflação evitaria uma distorção comum na política tributária brasileira dos últimos 21 anos: o pagamento de mais imposto de renda, mesmo por aqueles que não tenham auferido ganhos reais”, diz o Sindifisco, que fala em “séria ofensa” aos princípios constitucionais da capacidade contributiva e da progressividade.

“A conjunção de ambos diz que quem ganha mais deve pagar progressivamente mais. Porém, a não correção integral da tabela faz com que muitos daqueles que não ganharam mais, ou mesmo ganharam menos, paguem mais”, acrescenta a entidade. “É, portanto, uma política regressiva, desprovida de um senso maior de justiça fiscal e que, por estas razões, conduz à ampliação das desigualdades distributivas do País.”

O Dieese lembra que a política tributária “é um dos principais instrumentos de distribuição de renda de uma nação”, mas observa que para isso “é necessário um sistema tributário que tenha como princípio a progressividade na forma de incidência”. Assim, além da correção anual da tabela, seria preciso criar novas faixas de rendimentos.

 

 

 

 

 

 

 

redebrasil

Veja Também

Asfalto da Vila de Itaúnas deverá ser entregue no prazo de 23 meses

        Os moradores da Vila de Itaúnas, no município turístico de Conceição ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *